Bombas Flygt solucionam enchentes em El Paso

A cidade de El Paso, no Texas, está localizada na ponta do deserto de Chihuahua e não é raro que em poucos dias do verão caia a chuva de todo um ano na cidade. Essas chuvas vêm causando sérios estragos em toda a cidade há anos e as inundações sempre são especialmente fortes no distrito histórico de Chihuahuita. Uma nova solução da Xylem ajudou a resolver esse problema.

Em 2006, após uma enchente centenária, Chihuahuita criou uma empresa pública de águas pluviais a fim de lidar com o problema das inundações e contratou uma empresa de engenharia, o Grupo CEA, para fazer um estudo de drenagem com o objetivo de reduzir o impacto dessas tempestades.

O Grupo CEA verificou que a enchente de El Paso estava diretamente relacionada aos altos níveis do Rio Grande durante os períodos de chuva forte. Os bueiros de águas pluviais que foram adicionados no passado na tentativa de drenar a área foram conectados a um sistema que drenava uma vertente com um nível mais elevado. Isso fazia com que o escoamento de águas pluviais a jusante criasse um depósito de reserva no sistema de drenagem, inundando o bairro de Chihuahuita.

Construindo uma nova estação de bombeamento com espaço limitado

Foi decidido que uma nova estação de bombeamento seria a melhor solução para controlar o nível do rio e, consequentemente, evitar inundações. No entanto, a solução seria difícil, porque o bairro não tinha espaço nem verba para uma estação convencional de bombeamento de águas pluviais.

A empresa pública de águas pluviais precisava de uma estação de bombeamento que funcionasse tanto quando o nível do rio estivesse baixo (ou normal) como quando o rio estivesse em fase de enchente. O projeto deveria ser capaz de atender a essas restrições utilizando um sifão quando o nível do rio estivesse baixo e a potência máxima de bombeamento com o rio no nível normal.

Em 2012, um representante da distribuidora da Flygt James, Cooke and Hobson, Inc. (JCH) entrou em contato com a Flygt solicitando assistência. Com a contribuição dos engenheiros do Grupo CEA, da JCH e da Flygt, foi elaborado o projeto de uma estação de bombeamento que pudesse funcionar adequadamente mesmo em um espaço inferior ao recomendado pelas normas do Instituto Hidráulico para estações de bombeamento de grandes volumes.

Bombeamento constante, independentemente do nível do rio

O projeto exigiu o desenho de uma estação de bombeamento que pudesse transportar as águas pluviais com eficiência e utilizar o menor espaço possível. As bombas PL7061 com impulsor de fluxo axial Flygt foram selecionadas devido à alta eficiência e o baixo consumo de energia. O desenho também incluiu dispositivos de entrada de sucção formada (FSI – Formed Suction Intake) para garantir condições hidráulicas ideais para a entrada das bombas. Além disso, essa configuração proporcionou uma condição de bombeamento constante, independentemente do nível do rio.

O FSI da Flygt é um dispositivo de entrada que fornece um fluxo ideal à bomba com propulsor de fluxo axial, acelerando gradualmente e redirecionando o fluxo para a entrada da bomba. Sua principal função é conferir ao fluxo de entrada um perfil uniforme e redirecioná-lo. Ao proporcionar uma entrada confiável para as bombas em espaço limitado, o FSI da Flygt contribui para uma solução de estação de bombeamento mais econômica, com menos espaço ocupado e um melhor desempenho hidráulico que os dispositivos de entrada convencionais.

Capacidade para lidar com enchentes centenárias

Com uma capacidade de bombeamento de cerca de 102 mil litros por minuto, a estação pode enfrentar enchentes centenárias. Utilizando métodos de sifonagem, a cidade conseguiu lidar com as grandes oscilações do nível do rio, permitindo que a estação opere tanto quando o nível está alto como com um nível baixo.

O projeto da estação de bombeamento incluiu melhorias na drenagem de águas pluviais e o reposicionamento de várias linhas de água e esgoto existentes que atendem à região do centro da cidade.

Em 2012, chuvas torrenciais atingiram o distrito histórico de Chihuahuita em El Paso e, dessa vez, os resultados foram diferentes. Com a nova estação de bombeamento em operação e funcionando bem, não houve problema de inundações, trazendo o tão esperado alívio a essa área histórica.

Série de artigos

Em foco: Tecnologia e gestão inteligentes da água

Começar a ler

ASSINE NOSSO BOLETIM